• Oficina BandodiPapel

    Participante constroi instrumento de papel

    Foto: Talita Oliveira

  • Formação

    Adolescentes participam de ação de formação no Acre

    Foto: Carlson Felipe

  • Debates

    Debate com o público após o espetáculo Entre Nós

    Foto: Talita Oliveira

  • Espetáculos

    Bando de Teatro Olodum apresenta "Áfricas"

    Foto: Talita Oliveira

  • Público

    Família se diverte em "Áfricas", do Bando de Teatro Olodum

    Foto: Talita Oliveira

  • Participação

    Márcio Meirelles, diretor do Cabaré da Rrrrraça, fala com o público após espetáculo

    Foto: Talita Oliveira

  • Espetáculos

    Cabaré da Rrrrraça se apresenta para teatro lotado em Rio Branco, AC.

    Foto: Talita Oliveira

  • Remendo Remendó

    As crianças também se divertiram no espetáculo Remendó Remendó, em Rio Branco, AC.

    Foto: Talita Oliveira

Sobre o Festival do Teatro Brasileiro

O reencontro do Festival do Teatro Brasileiro (FTB) com Pernambuco nos inspira e fortalece! Em 2004, pela primeira vez, o FTB teve como tema a Cena Pernambucana. Foram para Brasília: “Uma Mulher Vestida de Sol – Romeu e Julieta” - Grupo Grial de Dança; “Ditirambos” e “Guiomar, filha da ...”, do Piane; “Folgazões e Foliões, Foliões e Folgazões”, do Mamulengo Só-riso; “O Terceiro Dia”, do Grupo Engenho de Teatro; “O Arquiteto e o Imperador da Assíria”, com direção de Carlos Carvalho; e uma homenagem a Geninha da Rosa Borges com “Solilóquios de Yerma” e “O Marido Domado”.

Em 2008, os pernambucanos receberam calorosamente nove espetáculos baianos com destaque para “Ó Paí, Ó!” do Bando de Teatro Olodum e o inesquecível show de Naná Vasconcelos e Virgínia Rodrigues no Pátio de São Pedro.

Em 2009, uma caravana de artistas e técnicos pernambucanos, seguiram para Sergipe e Bahia. Participaram dessa festa os espetáculos: “A chegada da Prostituta no Céu”; da Página 21; “Angu de Sangue”, do Coletivo Angu de Teatro”; ”Anjos de Fogo e Gelo”, da Rainbow Produções e Eventos; “Caetana”, da Duas Companhia; “Castanha Sua Cor”, do Grupo Grial de Dança; “Conceição”, do Grupo Experimental “Corra”, de Grupo Magiluth; “Fio Invisível na Minha Cabeça”, da Companhia Ator Nu; “Histórinhas de Dentro”, do Quadro de Cena; “Outra Vez, Era Uma Vez”, da Companhia Fiandeiros de Teatro; e “Samba no Canavial”, com Pedro Salustiano e direção de Arnaldo Siqueira.

Queremos fortalecer ainda mais os elos profissionais e pessoais criados pelo FTB. Em parceria com Janeiros de Grandes Espetáculo, a vigésima edição do FTB apresenta doze espetáculos do DF, uma residência artística, duas oficinas de dramaturgia; ações de formação e qualificação de plateia; encontros entre os artistas dos dois estados e entre as universidades Federal de Pernambuco e de Brasília; festas com DJs e muito mais. Serão sessenta artistas do DF que ocuparão os palcos e ruas de Recife. Destaca-se as participações de Hugo Rodas e João Antônio de Lima Esteves que contribuem para a formação de gerações de artistas da Cena do Distrito Federal.

Estão todxs convocadxs!

Um excelente festival!!!

Sergio Bacelar (Idealizador)

Curadores

Paula de Renor

Como curadora tive a oportunidade única de conhecer a fundo em sua diversidade, a cena do Distrito Federal. Um grande prazer poder apresentar a Pernambuco, meu estado, o que de importante está sendo feito em artes cênicas, um mosaico de diversos estilos e gêneros que comprovam a inquietude e o não conformismo dos artistas do Distrito Federal.

Confesso que me emocionei durante o difícil o processo de seleção, assistindo trabalhos de artistas que ainda não conhecia nos palcos, de alguns que acompanho e admiro e tantos outros que me fizeram rir, chorar, me surpreender, viajar em seus sonhos e contestações e mais que tudo, ter orgulho de presenciar este momento!

Criando dramaturgias, ousando nas performances e se destacando com espetáculos para bebês, esta cena pungente comprova que além do talento de seus artistas, bastam políticas públicas bem formuladas e executadas, como ocorreu no DF nos últimos anos, para que haja, de imediato, uma resposta positiva no desenvolvimento das artes cênicas de um local.

Guilherme Filho

Mais uma vez tive a honra e o prazer de colaborar na escolha da programação de uma nova Cena Brasiliense. A produção da capital continua pungente e diversa. Vários grupos e companhias continuam firmes na produção. Além de variedade, há consistência. Criam repertório e aprofundam conceitos. Tivemos a oportunidade, durante a curadoria, de assistir perto de cem espetáculos. E para quem pensa que é cansativo, asseguro que é puro deleite. Posso afirmar tranquilamente que as Artes Cénicas do Distrito Federal crescem e evoluem. Apesar dos tempos difíceis os profissionais de Brasília persistem com vivacidade e gozo.

Se me fosse pedido que escolhesse um único espetáculo dos selecionados para essa caravana não poderia fazê-lo. Graças a qualidade do que vem sendo produzido no DF, fizemos uma curadoria onde nenhum deles é dispensável. Conclamo ao público a conferir. Assistam o máximo que puderem e depois nos diga se não são imperdíveis. Claro que sempre haverá que lhe tocará em especial. Mas ninguém poderá negar a força, qualidade e talento do que está chegando do cerrado.

Paulo de Castro

Aleluia...O Janeiro chegou a sua 25º edição e isso muito nos orgulha, estamos em festa! A alegria torna-se ainda mais vibrante pela importante parceria com o Festival do Teatro Brasileiro, "“ "Cena Distrito Federal" que nos presenteia com espetáculos de teatro, dança e circo, além de debates e reflexões sobre a produção das artes cênicas no Brasil. Um encontro de duas cidades através da arte para fomentar conhecimento entre os trabalhadores da cultura e o público pernambucano. Esse é um sonho que pretendemos repetir, anos afora, com outros estados e quem sabe, outros países. Que venham os mineiros, assim como os brasilienses, trazendo a sua arte para a nossa cidade.

Pensamento que não sei a quem atribuir: “ Em um lugar onde não há atividades culturais, a violência vira espetáculo".

Merda!